Ocorreu um erro neste gadget

quinta-feira, 26 de julho de 2012

Encontrar alguém ou encontrar a si mesmo?

    Será que falo somente por mim que mesmo sem perceber todos nós fazemos uma espécie de lista para qualidades da pessoa que queremos encontrar como parceiros? É, achei que não. Enfim, sempre quis primeiramente alguém simpático, divertido e alegre, depois alguém que tivesse o mínimo senso de estilo seja lá qual for ele, acredite sou muito apreciadora de diversidades, só basta ser bom no seu estilo,claro, desde que o cara não use aquelas calças caídas no nível máximo ou coloque umas correntes e bonés. Voltando ao ponto da questão penso então: Se você está aí numa carência enorme, comendo mais do que pode/deve, pouco se lixando se vai usar um moletom e fazer um rabo de cavalo desajeitado, nem se dando ao trabalho de verificar o espelho, nunca saí e quando saí só fica entrevado num canto enchendo a cara, como é que alguém vai se apaixonar por você, ou vamos deixar mais simples, como é que alguém vai se sentir realmente atraído por você? Então chego ao ponto final: Você iria gostar de alguém nada atraente (você na fossa e carência)? Não amada, você não iria gostar. Tudo se resume em gostar mais de nós mesmos antes de gostar dos outros. Cultivar a nós mesmos, apreciar a nós mesmos, saber superestimar as qualidades porque essas superam os defeitos. Ponha sua música pra tocar, se olhe mais, se procure, se reinvente, se goste, se ache, e ache com gosto, se culturize, porque ninguém vai fazer isso por você.


"O feito, o refeito e o projeto"

      Hoje recebi mais uma lição da vida, para os religiosos posso dizer que recebi esta lição de Deus. Quando me deparo com algum tipo de decepção, com algo ou alguém, muitas vezes, deixo-me levar pela cabeça cheia de pensamentos, pela ira e nervosismo em vez de parar para refletir e pensar muito bem antes de falar qualquer coisa, digamos que às vezes esqueço dos ensinamentos sobre ser paciente. Já dizia o maior sábio de todos os tempos “Ame ao próximo”, porém entendemos isso de forma errônea, afinal como amar alguém que pratica o mal e insiste em praticá-lo? Como amar um assassino, um saqueador, ou um corrupto?
     Entendemos amar ao próximo como figura de sentimento, porém amor tem diversos significados no grego, por exemplo, pode ser escrito como eros, que se deriva da palavra erótico e significa sentimentos baseados em atração sexual e desejo ardente, pode ser escrito como storgé, que é afeição, especialmente com a família e entre os seus membros. Outra palavra grega para amor era philos, ou fraternidade, amor recíproco. Uma espécie de amor condicional, do tipo “você me faz o bem e eu faço o bem a você”. Finalmente, os gregos usavam o substantivo agápe e o verbo correspondente agapaó para descrever um amor incondicional, baseado em comportamento com os outros, sem exigir nada em troca. É o amor da escolha deliberada. Quando Jesus fala de amor, usa a palavra agápe, um amor traduzido pelo comportamento e pela escolha, não o sentimento do amor. Portanto, percebi que posso não aprovar as atitudes ou escolhas de alguém, mas que nem por isso devo deixar de ser generosa, paciente, respeitosa e honesta.
     Não importa como alguém ou algo lhe decepcionou. Importa que isso gerou uma experiência, gerou um teste psicológico/sentimental e que pode-se ser melhor à partir desse acontecimento e não cometer erros alheios, pois é exatamente como diz o ditado: “Não faça aos outros o que não gostaria que fosse feito á você”.
Créditos Imagem: Cássio Pires
Fonte imagem: http://www.flickr.com/photos/cassiopires/4132417332/

domingo, 1 de julho de 2012

Questão de pontuação

 Uma vírgula é uma pausa, um ponto e vírgula é uma pausa mais longa do que a da vírgula porém mais curta do que a do ponto, que por sinal representa término, encerramento.
 Já parou pra pensar que talvez nossa vida seja mesmo um livro como já deves ter ouvido em algum clichê?
 Talvez seja um livro de poucas palavras mas em compensação muita pontuação, exclamações, interrogações, reticencias, parênteses, travessões e alguns outros úteis.
 Cheguei a rir por imaginar certas linhas da obra contendo minha vida, quase que inimaginável pensar na própria vida assim não é? Algumas partes bem chatas, outras vergonhosas, algumas tristes e que não trazem boas lembranças, algumas inacabadas outras mais do que encerradas.
 Pense nas situações, pense na pontuação e a utilize com sabedoria em sua vida pois talvez em algum momento você verá que foi um belo escritor.